DOUTRINA COMENTADA - Ausência de Motivo? Matar Sem Motivo Caracteriza a Qualificadora Do Homicídio Por Motivo Fútil? - Professor & Coach Delegado Ronaldo Entringe
Você está visualizando atualmente DOUTRINA COMENTADA – Ausência de Motivo? Matar Sem Motivo Caracteriza a Qualificadora Do Homicídio Por Motivo Fútil?

DOUTRINA COMENTADA – Ausência de Motivo? Matar Sem Motivo Caracteriza a Qualificadora Do Homicídio Por Motivo Fútil?

image_print

 

_________

 

CONTROVÉRSIA DOUTRINÁRIA – Ausência de Motivo? Matar Sem Motivo Caracteriza a Qualificadora Do Homicídio Por Motivo Fútil?

 

Para responder a essa pergunta, trazemos o entendimento de Fernando Capez, que menciona posição dos eminentes juristas Damásio e Delmanto, in verbis:

 

Celso Delmanto compartilha do entendimento de que a ausência de motivos não pode equivaler à futilidade do motivo.

Esse é também o posicionamento de Damásio E. de Jesus, para quem, se o agente pratica o delito de homicídio sem razão alguma, não responderá pela qualificadora do motivo fútil, mas nada impede que responda por outra, como o motivo torpe.

 

No mesmo sentido é a posição de Victor Rios Gonçalves de que “Ausência de Motivo” deve ser visto como Motivo Torpe.

 

Ausência de prova quanto ao motivo. Para que seja reconhecida a qualificadora em estudo, é mister que haja prova de um motivo fútil qualquer.

A ausência de prova quanto a este aspecto não autoriza a presunção de que tenha havido motivação pequena.

Acusado que diz ter matado sem motivo algum.

Quando o agente confessa que cometeu o crime, mas alega que o fez absolutamente sem nenhum motivo, a conclusão inevitável é de que matou pelo simples prazer de tirar a vida alheia e, nesse caso, a qualificadora a ser reconhecida é a do motivo torpe e não a do motivo fútil.

 

Capez, in verbis, adota o entendimento de que “Matar Sem Motivo” deve ser entendido como Motivo Fútil.

 

Não nos parece adequado.

Matar alguém sem nenhum motivo é ainda pior que matar por mesquinharia, estando, portanto, incluído no conceito de fútil.

A posição da jurisprudência pende para a equiparação entre ambos, argumentando que, ao estabelecer pena mais severa para quem mata por motivo de somenos importância, não se compreende que o legislador fosse permitir pena mais branda para quem age sem qualquer motivo.

 

Nucci, in verbis: 

 

De outro lado, é bastante polêmica a possibilidade de equiparar a ausência de motivo ao motivo fútil.

Sustentam alguns que praticar o delito sem qualquer motivo evidencia futilidade, com o que não podemos concordar.

O crime sempre tem uma motivação, de modo que desconhecer a razão que levou o agente a cometê-lo jamais deveria ser considerado motivo fútil.

É possível que o Estado-Acusação não descubra qual foi o fator determinante da ação criminosa, o que não significa ausência de motivo.

Uma pessoa somente é capaz de cometer um delito sem qualquer fundamento se não for normal, merecendo, nesse caso, uma avaliação psicológica, com possível inimputabilidade ou semi-imputabilidade.

Por outro lado, quem comete o delito pelo mero prazer de praticá-lo está agindo com sadismo, o que não deixa de ser um motivo torpe.

 

 

Assistam ao vídeo do eminente doutrinador Rogério Sanches, promotor de justiça, in verbis:

 

 

 

 

Por ora é isso, Pessoal!

Bons Estudos!

 

0 0 votes
Article Rating
Compartilhar:

Professor & Coach Delegado Ronaldo Entringe

O Delegado Ronaldo Entringe é um estudioso na área de preparação para Concursos Públicos - Carreiras Policiais, e certamente irá auxiliá-lo em sua jornada até a aprovação, vencendo os percalços que irão surgir nesta cruzada, sobretudo através do planejamento estratégico das matérias mais recorrentes do certame e o acompanhamento personalizado.
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x