DOUTRINA COMENTADA - DIFERENÇA ENTRE INJÚRIA QUALIFICADA PELO PRECONCEITO e INJÚRIA RACIAL. - Professor & Coach Delegado Ronaldo Entringe
Você está visualizando atualmente DOUTRINA COMENTADA – DIFERENÇA ENTRE INJÚRIA QUALIFICADA PELO PRECONCEITO e INJÚRIA RACIAL.

DOUTRINA COMENTADA – DIFERENÇA ENTRE INJÚRIA QUALIFICADA PELO PRECONCEITO e INJÚRIA RACIAL.

image_print

De forma bem singela, vamos à diferença entre INJÚRIA QUALIFICADA PELO PRECONCEITO e o CRIME DE RACISMO.

 

Quando alguém profere palavras contra uma pessoa utilizando-se de elementos que agridem a sua Honra Subjetiva, aquela que a vítima tem de si própria, constituída por atributos morais, intelectuais e físicos, como por exemplo, chamar alguém de “LADRÃO ou PROSTITUTA”, caracterizado estará o crime de INJÚRIA, com previsão no Art. 140, caput, do Código Penal. 

 

Injúria Simples

Art. 140 – Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:

Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

 

Mas se esta mesma pessoa ofender a Honra Subjetiva de outra, utilizando-se de elementos referentes Religião ou à condição de Pessoa Idosa ou Pessoa com Deficiência (seja qual for a sua natureza), consumado estará o crime de INJÚRIA QUALIFICADA PELO PRECONCEITO, com com previsão no Art. 140, parágrafo 3º, do Código Penal, in verbis:

 

Art. 140 – Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:

Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

Parágrafo 3º: Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a religião ou à condição de pessoa idosa ou com deficiência:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

Em ambos, a ofensa perpetrada viola a Honra Subjetiva da vítima, não possuindo o caráter de SEGREGAÇÃO o que será explicado adiante.

 

No entanto, se o ofensor utilizar-se do Elemento Cor, para ofender a Honra Subjetiva da vítima, estará configurado o Crime de Racismo propriamente dito, com previsão no Art. 2-A, da Lei n.º 7.716/1989, in verbis:

 

Injúria Preconceituosa Racial

Art. 2º-A Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro, em razão de raça, cor, etnia ou procedência nacional.   

Pena: reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.   

Parágrafo único. A pena é aumentada de metade se o crime for cometido mediante concurso de 2 (duas) ou mais pessoas. 

Por exemplo, chamar um homem de Negro Imundo caracterizado estará o crime de Injúria, mas de natureza Racial, prevista no Art. 2-A, caput, da 7.716/1989. Trata-se se uma INJÚRIA ESPECIAL diversa da prevista no Art. 140, parágrafo 3º, do Código Penal.  

 

Antes da alteração promovida pela Lei n.º 14.523/2023, o crime praticado teria sido o de INJÚRIA QUALIFICADA PELO PRECONCEITO, com previsão no Art. 140, parágrafo 3º, do Código Penal.

 

Por sua vez, caso o ofensor venha utiliza-se de elementos referente à raça, cor, etnia, religião e procedência nacional, com o nítido fim de SEGREGAR ou INCENTIVAR a SEGREGAÇÃO, consumado estará o crime do Art. 20, da Lei n.º 7.716/1989. 

 

Colocar-se de lado; pôr-se à margem de; separar ou separar-se. 

 

Exemplo: O dono de uma barbearia coloca um cartaz em seu estabelecimento impedindo o ingresso de negros, pessoas do Estado da Paraíba ou com aparência de Indianos, pessoas que professam o Judaísmo ou Islamismo, e etc.

 

Neste caso, o agente responderá pelo crime do Art. 20, da Lei n.º 7.716/1989, in verbis:

 

Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Pena: reclusão de um a três anos e multa

Art. 20 contém a elementar “Religião”, com intuito de Segregar ou Incentivar a Segregação, colocar certas pessoas à margem da sociedade.

Por sua vez, o Art. 2-A não possui como elementar “Religião”, deslocando o enquadramento penal para o Art. 140, parágrafo 3º, do Código Penal, caso seja utilizado pelo ofensor com intuito de ofender a Honra Subjetiva da vítima. 

Mas se o DOLO do agressor não é ofender a honra subjetiva da vítima, mas apenas de separar, segregar, colocar à margem da sociedade, utilizando-se como elementar do tipo penal “Religião”, restará configurado o crime do Art. 20, caput, da Lei n.º 7.716/1989 – Crime de Racismo.

Exemplo: O dono de um curso preparatório para concursos públicos impede a matrícula de pessoas que professam o candomblé ou o judaísmo.  

 

Mais uma vez invoco os ensinamentos do eminente professor e promotor de justiça Rogério Sanches.

 

 

Por ora é isso, Pessoal!

Bons Estudos!

0 0 votes
Article Rating
Compartilhar:

Professor & Coach Delegado Ronaldo Entringe

O Delegado Ronaldo Entringe é um estudioso na área de preparação para Concursos Públicos - Carreiras Policiais, e certamente irá auxiliá-lo em sua jornada até a aprovação, vencendo os percalços que irão surgir nesta cruzada, sobretudo através do planejamento estratégico das matérias mais recorrentes do certame e o acompanhamento personalizado.
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x